vitalves.com

Textos e contextos!
Versão Feminina

Cueca estranha na gaveta - Fabrício Carpinejar

Cueca estranha na gaveta Homem já passa a identificar suas próprias cuecas. O que é um tremendo avanço tecnológico. Mas toda evolução tem seus efeitos colaterais. Maurício que o diga.

Ele estranhou uma cueca preta em sua gaveta. Quase que a vestiu sem pensar, na saída do banho, naquela pressa que aceita o improvável.

No entanto, algo incomodou no exemplar. Ou a marca de caveira ou o tamanho folgado criou a incerteza de seu domínio. Definitivamente não era dele. Nunca fora dele.

Por pouco não cheirou para tirar a cisma. Evitou a fungada para reduzir os danos da humilhação. O sangue subiu com o raciocínio. Ser corno não é uma decisão fácil, exige madureza, sabedoria e, acima de tudo, provas.

Antes de definir autoria, eliminava hipóteses:

1) Não tinha filhos.
2) Não tinha irmãos.
3) Sua mulher também não tinha irmãos.
4) Seu pai morreu.
5) O pai de sua mulher morava longe.
6) Não jogava mais futebol com amigos.

Desprovido de figuras masculinas diretas na convivência, apanhou a peça, agora com um certo nojo, segurando a etiqueta com a ponta dos dedos, e seguiu para discutir com a esposa. Não restava dúvida de que ela deveria conhecer a origem do enxerto. Sua boca borbulhava de ódio:

– Safada, será que ela me trai, e ainda na minha cama, e ainda lava a cueca do cara e bota dobrada nas minhas coisas?

Estava convicto de que a vizinhança inteira debochava de sua virilidade, de que o porteiro ria de sua tolice romântica. Ao encontrar Lúcia tomando café na cozinha, ele ergueu a bandeira negra a fim de guerra.

– De quem é essa nojeira?
– Sua?
– Não!
– Não é o que estou pensando...Não vai dizer que anda trazendo cueca de outro homem para casa, Maurício!
– O quê?
– Não tem cabimento encher o armário com roupa de amigo. Intimidade não se empresta, fica chato. É como escova de dente.
– Amor, não peguei nada emprestado de nenhum amigo.
– Então, o caso é mais grave, o que anda fazendo, amor? Não me diz que vem me traindo? E com rapazes?
– Tá maluca, Lúcia. Você me conhece.
– Não sei não, é suspeito, me explica o que faz uma cueca de um estranho em sua gaveta?
– Sei lá, também quero saber, iria mesmo perguntar para você.
– Para mim? Eu não uso cueca. Que vergonha! Ai se minha mãe sabe...
– Eu não fiz nada, juro, a cueca apareceu de repente em minhas roupas.
– Deixa eu ver? Ai que horror, tem cheiro de usada. Ai, não acredito, tem pentelhos.

Ela soluçou o início de choro, bateu a porta de casa e saiu furiosa. Maurício não descobriu de quem era a cueca. Isso não merecia mais sua preocupação. Necessitava achar um jeito de acalmar a esposa.

(Fabrício Carpinejar)

Mais lidos